sábado, 13 de fevereiro de 2016

BOCEJOS: "Estou Farto da Comunidade Internacional!"


"Estou Farto da Comunidade Internacional!"

Eis a infeliz frase com que Obama, perdão Jomav, brindou os presentes na última reunião no Palácio, em Bissau, na presença de Olesegun Obasanjo.

Segundo um diplomata em Bissau, nem mesmo Obama, o Presidente da Nação mais poderosa do mundo, deixaria escapar esta frase da sua boca.

DETALHE: No país de Jomav, 40% do Orçamento Geral do Estado é financiado pela tal comunidade internacional.

O próprio Jomav, quando viaja para o estrangeiro, precisa que lhe tragam um avião para lhe dar boleia… Esta frase ficará na história. AAS

POUCA VERGONHA TEM LIMITES/JUIZ LASSANA CAMARA


NA SUA PÁGINA DO FACEBOOK, REFERINDO-SE AOS 15 DEPUTADOS EXPULSOS DO PAIGC...:

"Vc são verdadeiros filhos desta terra, pena é que falta este povo senso crítico para poderem enxergar a vossa atitude. Por isso continuem a vossa luta é justa e legítima."

Um juiz que adora políticos...


Na legenda da foto, Lassana afiança que Nuno Nabian está próximo de ser presidente da Guiné-Bissau

Alguém no seu perfeito juízo entende mesmo o nosso País?!

NOTA: Pelo português, nota-se logo QUE NÃO FOI o Lassana que escreveu o documento...Mais uma. AAS

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

CAPTURADO NA GÂMBIA: O ex-presidente do União de Leiria, condenado por homicídio em Portugal, foi recapturado na Gâmbia. António Basto estava sob alçada da PJ guineense, mas escapou às autoridades depois de simular um mal estar. Foi agora recapturado na Gâmbia e a sua extradição pode acontecer o mais rápido possível. AAS

PORTO de BISSAU recebe pavimento novo


A cerimónia de inauguração das obras de pavimentação do recinto do porto comercial de Bissau, hoje, são boas noticias para a diáspora guineense. A partir desta manha, o porto de Bissau passa a ter a capacidade de albergar ate 72 mil contentores (35 mil antes).



No acto de inauguração, que contou com a presença do PM Carlos Correia, o Secretario de Estado dos Transportes e Telecomunicações, João Bernardo Vieira, disse que "a boa governação é sinónimo de desafios de quem trabalha mais."

MAIS PONTAPÉS NOS PROBLEMAS: Queixa-crime contra presidente da federação de futebol da Guiné-Bissau


A liga dos clubes de futebol da Guiné-Bissau prometeu hoje, sexta-feira, 12 de Fevereiro, que vai avançar com uma queixa-crime contra o presidente da Federação de futebol, Manuel Nascimento Lopes (Manelinho), por recusar marcar uma data para a realização da assembleia-geral ordinária do organismo que rege o futebol nacional do país.

A lei prevê que a data seja fixada três meses antes do fim de mandato do presidente. Manelinho termina a 8 de Março próximo, o seu mandato a frente da federação. Mas até hoje não convocou os clubes para acertarem a data das eleições para escolher um novo líder para este órgão.

De acordo com os clubes, estava prevista para hoje uma reunião entre o presidente e alguns dirigentes dos clubes (agrupados na Comissão de Salvação do futebol) para abordar o assunto. Mas tal não aconteceu porque, alegadamente, Manelinho terá dito que não tem tempo para reuniões porque está muito ocupado com as disputas político-partidárias.

“Depois de várias tentativas falhadas, agendou para hoje uma nova reunião para as 15horas. De repente, mandou cancelar tudo alegando que está mais determinado em derrubar o governo de Carlos Correia e afastar Domingos Simões Pereira na presidência do PAIGC, do que está preocupado com o futebol”, disse esta tarde à Rádio Jovem, um alto dirigente do Benfica de Bissau, a saída do Tribunal Regional de Bissau.

Esse dirigente sob anonimato, visivelmente irritado, disse que foi a Tribunal iniciar as diligências para entrar com o processo-crime contra o Presidente por desrespeitar os clubes, as leis e o futebol nacional, já no início da próxima semana.

Manuel Nascimento Lopes é um dos quinze deputados expulsos do PAIGC e que estão em litígio com a direcção do partido. A Rádio Jovem está a tentar obter uma resposta do presidente da federação, mas ainda sem sucesso. Rádio Jovem

PROBLEMAS AOS PONTAPÉS: O presidente da Federação de Futebol da Guiné-Bissau (ex-deputado expulso do PAIGC), Manuel Nascimento Lopes (cujo mandato termina já no dia 8 março), despediu por capricho o treinador português da selecção nacional da Guiné-Bissau, Paulo Torres (cujo contrato termina SÓ em dezembro) e contratou novo treinador. Contudo, o Governo, através do ministro Conduto de Pina já fez saber - e bem - que não vai pagar a dois treinadores. E assim vai o futebolês na terra de todos nós. Aliás, hoje, o presidente da federação tinha marcado uma reunião com os clubes mas à última hora desmarcou, mandando um recado: "Não tenho tempo para reuniões, sabem que estou ocupado em tentar derrubar o Governo." AAS

Crise política na Guiné-Bissau debatida em reunião extraordinária da CPLP


A crise política que atravessa a Guiné-Bissau será um dos temas do Conselho de Ministros extraordinário da Comunidade do Países de Língua Portuguesa (CPLP), no próximo mês de março, em Lisboa, disse hoje em Bissau fonte da organização.

Hernâni Coelho, chefe da diplomacia de Timor-Leste e responsável de uma missão da CPLP que hoje terminou uma visita de três dias a Bissau, adiantou que a organização lusófona pretende analisar em Lisboa a crise guineense e propor soluções para ajudar o país a encontrar as vias de desenvolvimento.

Acompanhado pelo secretário-executivo da organização, o moçambicano Murade Murargy, o chefe da diplomacia de Timor-Leste (país que atualmente preside à CPLP), encontrou-se hoje com o Presidente guineense, José Mário Vaz, com quem disse ter abordado a situação de crise que assola o país.

"O Presidente da República fez uma radiografia geral do estado da Nação, sobre as preocupações e perspetivas para o futuro do país", afirmou Hernâni Coelho, salientando que a missão por si liderada não tinha como finalidade mediar a crise guineense.

"Viemos aqui simplesmente para acompanhar, ouvir, ver a situação", defendeu Coelho, remetendo para a reunião de Lisboa, no dia 17 de março, a tomada de qualquer posição sobre a crise guineense.

A missão da CPLP tinha como objetivo vir a Bissau constatar o que está a ser feito pelas autoridades guineenses depois da mesa redonda com os parceiros, realizada há cerca de um ano em Bruxelas, na qual a Guiné-Bissau recebeu promessas de apoios financeiros na ordem de mil milhões de euros.

Dada a situação de crise, a missão da CPLP acabou por centrar a sua atenção na auscultação aos dirigentes responsáveis guineenses, notou Hernani Coelho. A Guiné-Bissau está mergulhada numa crise política desde dezembro, altura em que o Parlamento decidiu substituir 15 deputados da bancada do PAIGC que, entretanto, os havia expulsado do partido, por alegada indisciplina partidária.

Os deputados em causa recusam-se em acatar a decisão, que consideram ilegal. Um juiz do Tribunal Regional de Bissau ordenou a anulação da decisão do parlamento em substituir os deputados, na sequência de uma providência cautelar.

Dias antes, no âmbito de outro pedido, outro juiz do mesmo tribunal tinha pedido aos parlamentares expulsos que se afastassem e deixassem a assembleia trabalhar. Lusa

Livro

DJISSILIN KA TA KEMA KU BEDJA DUS BIAS: Ah!, agora "apelam à ANP" que vos deixe regressar...então não tinham 'demitido' o presidente da ANP e substituído a mesa? Porque não tomam a ANP de assalto como da primeira vez? E querem voltar para quê mesmo? E o documento que assinaram no PAIGC relativo ao programa do Governo e o Orçamento de Estado? É letra morta? E querem voltar para quê? Para consumar o plano maquiavélico e 'limpar' o JOMAV e mergulhar o país numa crise de doidos da roubalheira? Vão formar o vosso parlamento num dos luxuosos salões do palácio do Rei Mohammed, perdão, do Imperador José Mário Vaz...falta di findi kadera! AAS

FUGA: Ex-administrador da SAD do Leiria condenado por homicídio foge em Bissau


Em fuga à justiça portuguesa há cerca de quatro anos, o ex-administrador da SAD do Leiria foi capturado, no início do mês, na capital da Guiné-Bissau, para ser extraditado para Portugal, onde tem 13 anos de cadeia para cumprir por homicídio.



Mas António Bastos, 62 anos, voltou a fugir. Conseguiu escapar à guarda prisional de Bissau que o deveria entregar às autoridades portuguesas. A Polícia Judiciária da Guiné-Bissau, onde ainda estará o empresário, está no seu encalço.

Pelo que o JN conseguiu apurar, António Bastos, sobre quem recaía um mandado de captura internacional, foi detido pela Polícia Judiciária da Guiné, em Bissau. Estava à guarda do Estabelecimento Prisional da capital quando, na passada segunda-feira, foi levado para o tribunal para ser ouvido por um juiz, no sentido de ser extraditado. Só que, durante o interrogatório, terá simulado um problema de saúde. JN

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Que esta nova maneira de fazer política em democracia, perdure na Guiné-Bissau! Obrigado, Eng.º Domingos Simões Pereira, os guineenses começam a compreender - e a alinhar! Viva a Democracia!, Viva a República! Sem armas, sem ódio, sem violência. AAS

OPINIÃO: Descaramento tem limites!


"Descaramento tem limites! Estes políticos de carteirinha disfarçados em líderes de Partidos Políticos, que nem sede própria tem, órgãos de partidos que não existem, documentos dos partidos se encontram na porta mala das respectivas carroças, cujo líderes nunca trabalharam, não conhecem sequer o funcionamento do Estado!

Sem moral e desprovidos da ética, viveram e vivem apenas de intrigas políticas e governos de transições, também se acham no direito de falar em nome do Povo, este povo que não os conhece e não os reconhece.

Párias, golpistas, vão mas é arranjar trabalho e deixem de oportunismo, não têm vergonha de chegar a casa e não saber o que dizer aos vossos exactamente o que fazem da vida? O que esperam dos vossos filhos? Deixem o País desenvolver, ó parasitas de meia tigela!
"

CRISE POLÍTICA: CPLP abriu os olhos...


O que a CPLP ouviu do presidente do Supremo Tribunal de Justiça, Paulo Sanha, deixou-lhe duplo sentimento: de felicidade (pela posição de firmeza de fazer cumprir as leis da República); e preocupado (como é que o presidente vai encarar mais uma possível derrota jurídica?).

A CPLP ouviu atentamente uma exposição técnica bem fundamentada em como, eles, os juízes não vão aceitar nenhuma manobra política dos manhosos políticos useiros e vezeiros nessa táctica há anos, e principalmente desde 1998.

Dizem que assistiram na Guiné-Bissau durante anos e sem poder fazer nada, a golpes inventados, governos demitidos, presidentes destituídos e instituídos, quem ganha eleições não governa e, para cúmulo, partidos sem nenhum voto/deputado/representação ascendam ao poder.

Pela primeira vez, alegaram, a justiça guineense tem oportunidade única de fazer cumprir as leis. Um juiz até disse, para seu espanto, que os políticos Guineenses são os arquitectos da aldrabice política.

Fizeram saber que estão atentos e querem de vez inverter esta cultura, salvando, assim, a democracia da Guiné-Bissau. O que se está a passar actualmente é cultural e querem acabar com esta anarquia. Ao que a CPLP respondeu: depois de aquilo que ouvimos, realmente saímos daqui satisfeitos e achamos que vocês têm toda a razão. Desta vez, façam valer a constituição da República. As soluções políticas, está provado, é só perca do tempo.
AAS

CRISE POLÍTICA/NOTÍCIA DC: Tanamu fenhi


Os professores Jorge Miranda e Vital Moreira, receberam na semana passada a versão verdadeira do regimento parlamentar, onde não existe figura do deputado independente. Receberam também as assinaturas dos 15 deputados expulsos do PAIGC (depositados no Supremo Tribunal de Justiça).

No documento, esses agora ex-deputados assumiram o compromisso de honra e reconhecem ao partido (PAIGC) o direito de substituir qualquer deputado que for contrário às matérias tão importantes como o programa do Governo e o Orçamento de Estado.

Estas informações, apurou o DC de fonte fidedigna, foram já passadas por juristas guineenses, antigos alunos dos eminentes constitucionalistas portugueses, a estes que ficaram deveras incomodados.

A presidência da República guineense, recebeu entretanto uma nova nota dos professores constitucionalistas, apurou o DC. Segundo informações, JOMAV não ficou nada agradado e mostra-se mesmo deveras incomodado. Ninguém sabe o conteúdo da carta, mas tudo indica que a carta não abona a favor do PR.

Alguém, que prefere o anonimato, disse que não foi por acaso que foi pedido ao JOMAV para mostrar os 'famosos' pareceres ao representante da União Europeia, ao que o PR respondeu dizendo que "esses documentos pertencem à presidência", e não os mostrou.

Aliás, agora JOMAV só quer falar da infeliz sentença do juiz Lassana Camará, que já nem ousou enviar ao presidente do Senegal, que apenas recebeu a versão traduzida da sentença do juiz Lassana pelas mão do seu chefe de Gabinete, Octávio Lopes, numa audiência que nem durou 5 minutos.

O PAIGC, recusa pedir pareceres no estrangeiro, principalmente Portugal, apesar de tantas ofertas de pareceres jurídicos, o presidente do partido, Domingos Simões Pereira, deu indicações claras ao gabinete jurídico do PAIGC: fazer todo o trabalho a nível interno e respeitando sempre os nossos juízes.
AAS

Guiné-Bissau: comunidade internacional saturada com instabilidade


O antigo presidente nigeriano Olusegun Obasanjo deixou Bissau inconformado com o impasse político. A CPLP, por seu lado, prossegue os contactos com os actores nacionais que apelam a uma decisão política.

Perante o impasse e sem forças para alterar o estado das coisas, o mediador da CEDEAO, o antigo Presidente da Nigéria, Olesegun Obasanjo, deixou Bissau na última madrugada visivelmente irritado com a classe politica guineense.

Quem ainda vai tentando aproximar as partes é a delegação da CPLP, a comunidade lusófona, integrada pelo chefe da diplomacia de Timor-Leste, Hernani Coelho e pelo secretário-executivo da organização, o moçambicano, Murade Murargy.

Os dois responsáveis lusófonos desdobraram-se esta quinta-feira em contactos. Estiveram no Supremo Tribunal de Justiça e no Parlamento. Serão recebidos ainda esta quinta-feira pelo primeiro-ministro, Carlos Correia. Na quarta-feira estiveram na presidência da República.

A CPLP entende que a solução para a crise deve ser encontrada pelos próprios guineenses, no campo político, sem descurar, contudo, o aspeto jurídico da questão.

Isaac Murade Murargy, secretário executivo da CPLP, continua em Bissau para tentar mediar a crise política. Na saída ontem de uma reunião inconclusiva na presidência com actores políticos e mediadores ele alegava que o importante era trabalhar em prol da estabilidade do país. RFI

Comunicado da Presidência da República


Kada santchu na si pô




Domingos Simões Pereira, não é arrogante, não é divisionista, não é mal educado, não tem ódio a nada nem a ninguém! O que esse grupelho de partidos políticos (se é que lhes podemos chamar assim) querem, é fazer da Guiné-Bissau um autêntico eldorado para avacalharem.

E é precisamente isso que o DSP não vos tolera. E bem que podem ir espumando.


Aprendam com quem sabe.

TODOS ESTES PARTIDOS, CADA UM MAIS QUEBRADO QUE O OUTRO, SOMADOS, DÃO: 0/ZERO/NIENTE/NADA/NOTHING:

PDSSG, UPG, UNDP, FD, PDG, UDS, LIPE, FLING, PRP, PPD, PP, PADEC, CD + os 15 ou os 150? Estes sim, são divisionistas, são reaccionários e fundamentalistas.

Vão às urnas todos os anos, mas nunca ganharam nada. Querem mandar dividindo os guineenses - o tanas! Não conseguem ganhar nada, nem nunca ganharão nada! Assim, só mesmo caluniando, metendo este com aquele, engraxando o PR JOMAV. Mas nem assim chegarão lá. Biltres! Acabou-se a mama!!! AAS

Igreja e reconciliação


Guineenses: Está em preparação um GOLPE DE ESTADO. DC está em campo, com as mãos na lama... AAS

Povo da Guiné-Bissau, perceberam? Ou querem que faça um desenho?


"A classe política da Guiné-Bissau deve saber que a comunidade internacional atingiu os limites da paciência. É por isso que exorto o povo da Guiné-Bissau a não deixar que os políticos prolonguem a crise infinitamente." Olesegun Obasanjo, ex-chefe de Estado da Nigéria e enviado da CEDEAO

OPINIÃO: "Avé, manifesto!"


"Bom dia, Aly

Antes de mais, aproveito felicitar-te e encorajar-te, mais uma vez, pelo teu patriotismo e empenho com a causa do teu/nosso país. O objectivo deste meu artigo, é por uma lado, felicitar os autores da petição que reclama o retorno dos exilados políticos guineenses, ex-governantes, que se encontram constrangidamente retidos no estrangeiro e sem esperanças ou sinais concretos da parte do actual regime, que vislumbrem intenções a curto ou médio termo de promoverem o regresso desses ilustres cidadãos à pátria, ao pais pelo qual se sacrificaram e renderam louvados serviços.

E, por outro lado, e de passagem, endereçar-te concomitantemente, o meu sentido obrigado, mais uma vez pelo teu patriotismo abnegado, ao aceitares, através do teu prestigiado blog servir de plataforma a essa reivindicação de relevante acção de cidadania.

A esta louvável iniciativa que se dirige de forma clara e elucidativa a todos os filhos da Guiné-Bissau, deve patrioticamente interpela-los sobre a situação que se vive hoje no pais que, pela constância e vivência dos factos e actos deploráveis com as quais quotidianamente as nossas instituições ofertam aos guineenses, em particular, acções transloucados da parte da mais alta Magistratura da Nação.

Este manifesto, reveste-se no contexto actual, de maior relevo e pungência interpelativa da consciência colectiva guineense, hoje à mercê de gente eivados de ingratidões, traições, para com aqueles que outrora bem lhe serviram.

O manifesto em traços gerais, demostrou com clareza e constância, o que os hipocritas e os politiqueiros oportunistas e sem ocupação do nosso pais tendem a negar e denegrir. Existem na realidade, factos e acções de inegáveis relevância postulados em obras concrectas cuja traçabilidade e evidência não permitem escamotear a verdade.

Ha que admitir, o homem politico Carlos Gomes Junior, vulgo Cadogo, tem a sua estrela, tem a sua boa sina para o pais e, tem acima de tudo liderança. Liderança incontestável que, contra ventos e marés, bem ou mal pôs ao serviço do seu pais e do povo da Guiné-Bissau.

Creio mesmo que, foram essas valências de resultados e liderança, associado ao seu arreigado nacionalismo e fervoroso soberanista, foram os principais factores que ligados a pretensos legados nacionais obscurontistas e sectarista, que o levaram, a ser purgado da lide politica nacional, vendido e postergado a favor dos interesses estrangeiros da sub-região. Todo o mundo sabe que, caso Cadogo fosse presidente daria continuidade à promoção do desenvolvimento para o pais, tal como fez enquanto foi Chefe de Governo.

Cadogo seria o presidente que defenderia intransigentemente a soberania e os interesses nacionais e não se curvaria facilmente aos interesses subreginais, cujos certos paises regionais, nos querem dominar e subordinar. Por isso, hoje entende-se perfeitamente porque razão Cadogo era incomodo e a todo preço e sacrifício alguns países da sub-região principalmente, para a troika constituída pelo Senegal, a Costa do Marfim e o Burkina Faso não queriam que ele fosse eleito presidente da Republica nas eleições interrompidas de abril 2012.

Inventaram-se tantas mentiras, tantas calunias para se livrarem de uma sombra que, apesar de tudo, dava conforto e esperança aos guineenses e prometia dias melhores..., infelizmente, pactuaram com o caos e impingiram-nos um caso clinico sem retorno e com consequências imprevisíveis para o pais.

Em tudo isto, não deixarei de atirar uma pedra aos telhados da comunidade internacional, organismos internacionais e sub-regionais (NU, UA, CEDEAO, CPLP, UE, ONUDH etc) que, sem distinção, ficaram impávidos e sereno decorridos quase sensivelmente quatro anos sobre os acontecimentos dramáticos de 12 de abril, nada fizeram de relevante quanto à barbarie cometida.

Mais: nada fizeram, para com o cidadão Carlos Gomes Junior, quer quanto à pertinente questão regresso (em segurança) ao seu pais, tão menos se inteiraram, como ele vive, melhor sobrevive, porquanto apátrida, sem meios de trabalho, sem acesso aos seus bens e direitos e sem poder gerir e defender os seus interesses nos seus negócios e parcerias, longe da família, pior ainda longe das populações que com abnegação e patriotismo sempre serviu.

Se ha uma boa acção com a qual me comprometo e me empenharei a fundo, é esse manifesto, tanto mais que, cada dia que passa sentimos a sua falta
Bem hajam
"

ALÔ, DAQUI TORRE DE CONTROLE: Quando o PR guineense JOMAV chegou ao aeroporto de Bissalanca, o avião que transportava o ex-chefe de Estado da Nigéria estava já a rolar. Então, pediram à torre que mandasse o avião para trás...e assim foi! Apenas para pedir desculpas pela infeliz frase: "ESTOU FARTO DA COMUNIDADE INTERNACIONAL!" Que vergonha...AAS

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

FACTO: A pergunta que muitos fazem agora não é se JOMAV vai ter um segundo mandato, mas sim se vai terminar este. Em todo o caso, se conseguir terminar este, poderá agradecer aos deuses (ou aos Irãs em que muito acredita) de ter tido essa sorte. AAS

EXCLUSIVO DC/CRISE POLÍTICA: OBASANJO ABANDONOU A SALA


O general Olesegun Obasanjo, enviado da CEDEAO para servir de mediador da crise política guineense despontada pelo presidente da República, José Mario Vaz, perdeu a paciência com JOMAV que se mostrou hoje bastante irritado na reunião que manteve com este na presença da comunidade internacional residente no país.

E o PR não poupou nas palavras: "Estou farto e bastante chateado com a comunidade internacional, que tem alimentado este problema em vez de o resolver de uma vez por todas", disse, zangado o presidente guineense.

Depois desse discurso inflamado, Obasanjo pediu licença, levantou-se e abandonou a sala onde decorria o encontro. Ficaram todos pasmados e não era para menos. O general não iria aturar tamanha falta de respeito (fez o mesmo ao Kumba Yalá...)

A seguir, coisa nunca vista no nosso país: José Mário Vaz, presidente da República da Guiné-Bissau, em pessoa, ciente da embrulhada em que se meteu e do turbilhão que ali viria com esta grande desfeita, deslocou-se rapidamente ao aeroporto Osvaldo Vieira... para pedir desculpas ao general! AAS

ACIDENTE GRAVE: O acidente presidencial contado por quem o viveu


Segundo uma fonte do DC que vinha na comitiva do presidente da República, José Mário Vaz, sempre que saiam de Calequisse (terra-natal do PR), tomavam a via principal aeroporto/Bissau. Contudo, desta vez, a segurança aconselhou o PR a entrar em Bissau por trás, ou seja, chegando ao aeroporto tomam a estrada via São Paulo.

Dali, o plano da segurança era seguirem a nova estrada que vai dar ao cemitério de Antula e dali até ao prédio dos antigos combatentes. Depois, era só apanhar a via que vai dar ao antigo estado maior das forças armadas e descer por Santa Luzia até ao palácio.

Acontece que, quando estavam a chegar à zona de São Paulo um carro da escolta despistou-se e foi chocar com outros carros, também da comitiva, o que culminou em ferimentos muito graves, pés e braços partidos, a vários elementos da segurança e deixou vários carros bastante danificados.
AAS

TERRORISMO/NOTÍCIA DC: Quinhamel na mira


A distracção provocada pela 'crise política', tem facilitado o surgimento de células terroristas na Guiné-Bissau. Ao Ditadura do Consenso, fonte da Interpol confirma as suspeitas que, em surdina, vagueiam por Bissau.

"Está provado que existem mesquitas em Bissau, fundamentalmente, e no interior com gente comprometida com a causa terrorista" - revelou uma fonte da Interpol ao Ditadura do Consenso. Mas também suspeitam de estrangeiros: "Europeus de origem belga."


O ponto vermelho no mapa indica a localidade

As suspeitas vão para o Boko Haram, e a Gâmbia, o novo Estado Islâmico africano e único aliado do PR guineense JOMAV na sub-região - faz a ponte. "Recrutam, formam e treinam" jovens guineenses, "na sua maioria de origem muçulmana, mas não só."

A Interpol suspeita mesmo de "campos de treino na área de Quinhamel", na região de Biombo. A vila é a capital da região e tem cerca de 37 mil habitantes. AAS

ÚLTIMA HORA/NOTÍCIA DC: O General Obasanjo acabou de sair da Presidência da República, estava visivelmente irritado e tudo indica que o ex-chefe de Estado nigeriano vai abandonar Bissau ainda esta noite. Segundo fonte da Presidência, o PR Jomav insiste no parecer enviado de Portugal, e na providência cautelar do infeliz juiz Lassana Camara. AAS

PETIÇÃO PELO REGRESSO DOS EXILADOS


Assine o MANIFESTO



Carlos Gomes Júnior, Raimundo Pereira e demais cidadãos guineenses ainda no exílio devem regressar à Guiné-Bissau, a sua Pátria! Com esse objectivo, apresenta-se este Manifesto a ser subscrito por guineenses, de nascimento ou de coração.



Guineense que trazem consigo o desejo de paz e de estabilidade para o seu País. Guineenses que querem que o seu País seja uma terra que recorda e acolhe quem alguma vez lhe fez bem, que seja o porto de abrigo de todos os seus filhos no momento do regresso. Sim, porque a Guiné-Bissau não deve ser de alguns,mas sim de todos!

O golpe de estado de 12 de Abril de 2012 obrigou a que, num clima de perseguição e de terror, alguns membros do Governo legítimo que estava em funções, bem como outros políticos que se manifestaram contra o golpe tivessem de abandonar a sua Pátria, as suas famílias e as suas casas e procurassem acolhimento em países amigos. Foi em janeiro de2009 que Carlos Gomes Júnior então Presidente do PAIGC  foi empossado como Primeiro-Ministro do Governo que liderou até ao golpe de estado de 12 de Abril de 2012.

Durante o seu Governo, a Guiné-Bissau conheceu um período de estabilidade, desenvolvimento e progresso. Todos os dias era visível o desenvolvimento sustentável, sectorialmente equilibrado, socialmente justo e internamente articulado em que se apoiava a condução das políticas do nosso País. O Governo de Carlos Gomes Júnior deixou a sua marca. Na área das infra-estruturas, tivemos o País em renovação.

Lançou-se a construção de:

•Estrada Mansoa-Farim;
•Estrada Buba-Catió;
•Estrada Quebo-Cacine

Foi ainda inaugurada a nova avenida de ligação ao aeroporto a Centro da Cidade Capital, que passou a designar-se de Avenida dos Combatentes de Liberdade da Pátria, no meio de uma emoção generalizada de quem via finalmente sinais de progresso e de modernidade.

Também ainda a construção do edifício do Palácio do Governo, que permitiu a concentração no mesmo espaço de ministérios e serviços públicos dispersos, que passaram a partilhar recursos e que, ao ser encurtada a distância relativamente ao centro do Governo, foi sinónimo de uma racionalização de meios e de circuitos, a todos os títulos louvável. Refira-se, também a construção do Hospital Militar Amizade China-Guiné-Bissau, e muitos outros projectos, deixados concluídos e a funcionar.

A própria rede bancária emergiu com força e solidez, viabilizando e dando confiança ao envio de remessas por parte de emigrantes. O tecido empresarial ganhou novo ânimo com os apoios à criação de empresas. Estabeleceram-se acordos com países acolhedores da diáspora guineense, designadamente com Portugal, com vista à paridade de tratamento, como a situação das cartas de condução.

E o que dizer da Reforma da Administração Pública e da Reforma das Forças de Segurança? A primeira foi deixada concluída em cada detalhe e pronta a ser implementada, de modo a tornar a Administração Pública uma prestadora de serviços de qualidade e um fator de desenvolvimento económico e social; a segunda ficou também já iniciada e em desenvolvimento.

Quem não se lembra do recenseamento biométrico da administração pública?! E da eliminação dos “fantasmas”? Tudo à custa de muito trabalho, de muito controlo, para que a opacidade das contas, a gestão fraudulenta, o amiguismo nas nomeações, o descontrolo das admissões fossem passado e jamais regressassem. Mas toda esta forma de estar mexia com os interesses de quem não quer o progresso, de quem quer que o povo continue na miséria para mais facilmente ser dominado. E, infelizmente, o golpe de estado fez com que tudo retrocedesse.

A governação de Carlos Gomes Júnior deu credibilidade à Guiné-Bissau no plano nacional e internacional, por força da competência e da honestidade do seu Governo. Mas, além disso, a governação de Carlos Gomes Júnior devolveu a esperança ao povo da Guiné, mostrou-lhe que o desenvolvimento era possível, que a Paz nascia do progresso. Urge que a Guiné-Bissau passe para o mundo a imagem da tolerância que caracteriza o seu Povo, que apregoe bem alto, através do exemplo, que:

- Respeita - consagrando na sua Constituição da República - os direitos e liberdades fundamentais dos no que se refere à sua livre circulação. - Nenhum cidadão nacional pode ser expulso do seu país.
- Todo o indivíduo tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal.

Com um Presidente da República e um Governo democraticamente eleitos, estão reunidas as condições para que estes compatriotas  que tanto têm para dar ao seu país  possam voltar para as suas famílias, para as suas casas, para a sua Pátria, para o Povo guineense.

Dizia Amílcar Cabral que “O importante não é sermos fortes, é sentirmo-nos fortes”. Com Amílcar Cabral aprendemos a ser fortes, a sentirmo-nos fortes e a construir um forte País que queremos. É tempo de dizermos basta à instabilidade e à arbitrariedade e lançarmo-nos na construção de uma sociedade justa e igualitária que faça da Guiné-Bissau o país visionado por Amílcar Cabral! Compatriotas!

O momento exige de todos nós uma tomada de posição. Exige que defendamos o nosso País, a nossa Pátria! Exige que, através da nossa acção, impeçamos que os direitos e liberdades consagrados na nossa Constituição sejam atropelados.

Exige que, através de uma mera assinatura, exerçamos o dever cívico e irrenunciável de construirmos o futuro do nosso País e de darmos um futuro aos nossos filhos. Sejamos solidários para com os compatriotas ainda no exílio, exigindo que os órgãos de soberania nacional do nosso País assumam publicamente o compromisso de os acolher e de lhes dar a necessária protecção. Assinemos o presente Manifesto.

ÚLTIMA HORA/OBASANJO/NOTÍCIA DC: O primeiro encontro com o General Obasanjo correu muito bem. O ex-presidente nigeriano desse que o PAIGC tem o mandato do povo e, assim, deve governar. Vai governar com quem quiser, e se o PRS quiser pode integrar sem condições o Governo. AAS

JUIZ FERADU: Afinal, Lassana Camara não foi o autor do famoso texto...o mesmo, soube do DC de fonte fidedigna, foi encomendado pelo director do gabinete do PR a alguns juízes 'incomodados' em Lisboa. Mais: até sexta-feira, o escrivão não tinha distribuído nada a nenhum juiz...mas o grupo dos 15 já o tinham a ponto de o exibirem num dos comícios no leste do país. Mentira tem perna curta! AAS